Chineses

Angola está cheia de chineses, mas passam despercebidos. Estão cá em virtude de uma linha de crédito de não sei quantos biliões de dólares que o governo chinês abriu a Angola, tendo como contrapartidas a adjudicaíão de muitos trabalhos na construíão e obras públicas a empresas chinesas. Com elas vieram muitos – não faío ideia quantos – técnicos e trabalhadores chineses. É raro vê-los nas ruas durante o dia; provavelmente estarão a trabalhar, coisa a que sempre se dedicaram com afinco. Também não aparecem í  noite, nos restaurantes e locais de conví­vio; devem esconder-se entre os da sua comunidade, como aliás fazem em todo o mundo. Onde temos uma melhor percepíão da dimensão relativa da sua presenía é nos supermercados, ao fim de semana. Ainda ontem de manhã, na Martal, cruzei-me com meia dúzia, num estabelecimento relativamente pequeno. Faz-me lembrar aquele velho dito espanhol: “Não acredito em bruxas – mas lá que as há, há.

João Nunes

João Nunes é um autor, guionista e storyteller apaixonado por contar estórias e ajudar outras pessoas e marcas a contar as estórias delas. Divide o seu tempo entre Portugal, Brasil e Angola, tendo já escrito mais de 3500 páginas de guiões produzidos de longas metragens, telefilmes, séries de televisão e curtas.

A sua opinião é importante. Deixe-a aqui:

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Shopping Cart
  • Your cart is empty.
Scroll to Top