Avançar para o conteúdo

Rio de Janeiro

    Enquanto estive em Búzios tive necessidade de ir buscar os meus cunhados ao aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro.

    Como eles só chegavam às 23h00 eu e a Lu resolvemos aproveitar e passar o dia no Rio. Para a Lu era a oportunidade de rever uma cidade onde já viveu durante alguns meses, mas que já não visitava há vários anos. Para mim, era a possibilidade de conferir se o Rio é a "cidade maravilhosa" da gente bonita, da bossa nova e da vida solta, ou a "cidade de Deus" das favelas, dos assaltos e dos traficantes.

    Pelo que vi nesse dia, fiquei mais inclinado para a primeira hipótese.

    É claro que as favelas existem – estão lá, omnipresentes, como feras em repouso, aninhadas nas encostas dos morros, prestes a saltar sobre a cidade que se estira a seus pés, alheia ao perigo. E os noticiários, os jornais e os taxistas não nos deixam esquecer que a criminalidade existe, e é violenta.

    Mas como é fácil esquecer tudo isso quando os nossos olhos repousam nas longas praias de areias brancas, brincam no verde da mata atlântica que se esgueira e explode por todo o lado, perseguem os corpos esbeltos e os sorrisos largos dos cariocas, ou se refugiam na imagem protectora do Cristo Redentor.

    Nesse dia passado entre as areias da Barra da Tijuca e os bares castiços de Santa Teresa, fiquei com a leve impressão de que estava realmente na cidade mais bonita do mundo, como tantos amigos já me tinham asseverado ser. E concordei com a Lu que o Rio de Janeiro merecia uma visita mais prolongada.

    Quando seria essa viagem, não sabí­amos. Mas que iria ser, disso nenhum dos dois ficou com dúvidas.

    Acabou por ser mais cedo do que esperávamos. Um erro da Taag, ou o overbooking do voo, ou outra coisa qualquer que não consegui entender – obrigou-me a perder o voo de regresso a Angola, no dia 5 de janeiro. Outro voo, só no dia 9, o que me deixava precisamente um fim de semana prolongado a mais no Brasil.

    Telefonei para a Lu que, por essa altura, já tinha viajado para S. Paulo e ela veio ter novamente comigo. Tinhamos ganho a nossa viagem ao Rio de Janeiro, de forma inesperada e, por isso mesmo, ainda mais saborosa.

    O W. e a J. perderam também o mesmo voo, pelas mesmas razões (as tais que não cheguei a perceber). Marcámos hotel, alugámos carro, e passámos os três dias seguintes a fazer o passeio mais turí­stico possí­vel. Subida no bondinho ao Pão de Açúcar; passeio ao Corcovado com fotos aos pés do Cristo Redentor; praia em Ipanema e compras na Marquês de Pirajá; jantares em Copacabana, samba na Lapa e chopes em todo o lado.

    Não me senti em perigo, ou sequer levemente ameaçado, em momento algum. É claro que não facilitei: deixei o relógio no hotel, espalhei o dinheiro por vários bolsos, e adoptei o uniforme carioca de t-shirt, bermudas e havaianas (amarelas e verdes, para dar aquele toque extra de autenticidade local).

    O Rio de Janeiro pode até ser uma cidade perigosa – não quero discutir com as estatí­sticas. Mas a partir de agora vou engrossar a legião de fãs que a gabam, defendem e recomendam aos amigos.

    É a cidade mais bonita do mundo. E a visita prolongada que eu e a Lu combinámos fazer-lhe ainda continua de pé.

    A sua opinião é importante. Deixe-a aqui:

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.