Investigando histórias reais

Essa é pra quem busca inspiração em histórias reais. Um funcionário do condado de Memphis, no Estado norte-americano do Tennessee, abriu um museu online de arquivos, correspondência pessoal e imagens em preto e branco pouco conhecidas que mostram o período que o assassino do líder dos direitos civis Martin Luther King Jr. passou na prisão.

James Earl Ray matou o ativista norte-americano há 43 anos. Ele morreu na prisão em 1998, de causas naturais. O museu pode ser visitado na página register.shelby.tn.us.

Pra quem lembra, o ganhador do Oscar 2011, o Discuso do Rei, teve acesso aos diários de Logue semanas antes do início das filmagens e acabou aproveitando as informações no roteiro. A verdade é que atualmente é bem mais fácil ter acesso a documentos, cartas, imagens para se montar uma boa história. É claro que isso demanda tempo, paciência e um bocado de sorte para achar exatamente o que você procura.

You are currently viewing Investigando histórias reais

Este Artigo Tem Um Comentário

  1. Luiz

    Mas não há questões legais quando se utiliza personagens reais? Se eu quiser contar um caso que é extremamente conhecido, por exemplo, como aquele rapaz que encarcerou a namorada e a amiga no apartamento por uma semana, no caso, não enfrentaria nenhuma acusação? Posso utilizar só o evento – sequestro da namorada e amiga pelo rapaz – e ‘romancializar’ o resto?

    Desde já, agradeço pela atenção.

A sua opinião é importante. Deixe-a aqui:

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Grace I. Barbosa

Grace I. Bar­bosa é casada, e bra­si­leira ape­sar de não saber sam­bar, não jogar fute­bol, e não con­se­guir fazer uma boa caipirinha. Enquanto não escreve a sua obra-prima tem o jor­na­lismo como sus­tento e pro­fis­são.