Avançar para o conteúdo

P & R: devo rever a escrita da véspera?

    Durante o processo de escrita da 1ª versão do guião, quantas vezes será necessário parar para rever o que foi escrito no dia anterior? Eu não revejo mas algo me diz que vou chegar ao fim do 1º draft e não vou gostar do resultado final. — Rafael

    Rafael, é mesmo muito provável que chegue ao fim do 1º draft e não goste do que escreveu. É natural e, diria mesmo, quase inevitável.

    Quando imaginamos o nosso guião, imaginamo-lo perfeito e sem falhas. Mas raramente chegamos à primeira a esse patamar de perfeição. É para isso que serve a reescrita; para aproximar passo a passo o guião final daquele que idealizamos antes de começar a escrever.

    Quanto à revisão durante a escrita, há várias correntes de pensamento.

    Há quem ache que devemos tentar escrever tudo sem parar para olhar para trás. Alguns insistem mesmo que devemos escrever muito, depressa e sem rever, para obter aquilo que denominam de "vomit draft" – a "versão vomitada". Vomitada, imagino eu, porque saiu de uma golfada, mas também porque normalmente é um horror.

    Outros autores preferem ir revendo à medida que escrevem. Lembro-me de um escritor (mas não de quem é) que afirmava todos os dias rever o manuscrito desde a primeira linha, o que fazia com que em cada dia acrescentasse cada vez menos material novo.

    Mesmo que não se seja tão exagerado, grande parte dos autores gostam de "aquecer" para a escrita do dia revendo e alterando um pouco do que escreveram nos dias anteriores.

    Penso que a maior parte dos autores, como eu, andam no meio termo. Tentamos seguir em frente num bom ritmo, para manter o entusiasmo, mas não nos impedimos de corrigir ou alterar algumas coisas pelo caminho.

    Por vezes são ideias novas para melhorar uma cena anterior; outras vezes apercebemo-nos de algum erro cometido; muitas vezes é apenas uma maneira de adiar um pouco o regresso à escrita original, sempre mais difícil.

    O perigo de voltar demasiadas vezes atrás é perder o ímpeto e a energia que tanta falta vão fazer para chegar ao fim. Mas cada autor é que sabe qual o método mais adequado ao seu estilo de escrita.

    Uma pergunta final: presumo que tenha baixado e lido o meu eBook gratuito dedicado exclusivamente à reescrita. Se não o fez recomendo que o faça.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.