O meu nome é João Nunes e sou um storyteller que adora contar estórias e ajudar os outros a contar as suas. Divido o meu tempo entre Portugal, Brasil e Angola, como autor, guionista, script doctor e criativo publicitário.

O site

Criei este site em 2005. O seu tema é o storytelling em geral, com particular destaque para a escrita de guiões/roteiros para cinema e televisão.

O volume de artigos disponíveis fez dele uma das referências de escrita audiovisual em língua portuguesa, recebendo centenas de visitas diárias. Se está interessado em escrever para cinema ou televisão, com certeza encontrará aqui algo que lhe interessa.

Saiba um pouco mais sobre o site nas secções abaixo.

Sugiro que comece por explorar a página de Arquivos. Aí encontrará os artigos mais recentes do Curso de Guião, de Escrita, as Perguntas & Respostas e as Entrevistas, entre outros temas. A página de Recursos também costuma ser bastante popular.

A melhor maneira de acompanhar o blogue e saber sempre o que foi publicado é assinar a minha lista de email. Se quiser seguir-me via RSS ou no Twitter, no Facebook, no Instagram ou no LinkedIn também ficará a par de todas as novidades no blogue, além de muitas outras referências e coisas interessantes.

A sua colaboração neste site é muito apreciada, seja através dos comentários aos artigos, envio de perguntas ou opiniões pelos formulários de contato, ou até a publicação de artigos originais.

Leio todos os comentários e mensagens, e tento responder-lhes sempre individualmente, dentro das limitações de tempo e disponibilidade. Às vezes pode demorar um pouco, mas normalmente consigo dar resposta.

Mas este site é uma extensão da minha vida para o mundo virtual da internet. Como tal está sujeito às mesmas normas que aplico no dia a dia, em minha casa.

Por exemplo, não admito nele linguagem vulgar ou obscena. Não é que eu nunca diga um palavrão; mas tento não o fazer em público, ou com pessoas que não conheço bem.

Da mesma forma, não aceito comentários desajustados, ofensivos ou que possam ser lesivos dos direitos de outras pessoas. Piadas ou afirmações racistas, xenófobas, homofóbicas, discriminatórias, etc., são obviamente eliminadas ou ignoradas.

Pense assim antes de escrever: se é uma coisa que você não diria na minha sala de estar, numa festa com os meus amigos, também não a escreva aqui. Com certeza não vai passar o meu crivo.

Com a excepção dos artigos escritos por autores convidados, cujas normas específicas pode encontrar mais abaixo, todos os conteúdos originais deste site são da minha responsabilidade.

Os direitos de propriedade intelectual (copyright) sobre esses conteúdos são exclusivamente meus, de acordo com a legislação em vigor.

Quero garantir um equilíbrio justo entre a distribuição deste conteúdos originais com fins educativos e os meus direitos de propriedade intelectual.

Agradeço pois que sejam respeitadas as normas a seguir indicadas.

Não precisa da minha permissão para:

  • Criar hiperligações (links) para o meu site ou para artigos específicos dentro dele;
  • Copiar e reproduzir até 150 palavras dos textos originais, e publicá-los noutros sites, desde que acompanhado por um link para o meu artigo original;
  • Imprimir os meus artigos completos e duplicá-los até 50 cópias para distribuição não comercial destinada a fins educativos;
  • Copiar os meus artigos e reproduzi-los em qualquer publicação não comercial com fins educativos, desde que inclua a seguinte indicação de copyright: Direitos reservados. © João Nunes 2005 – 2020 – Publicado originalmente em https://joaonunes.com

Precisa da minha autorização escrita para:

  • Reproduzir mais do que 150 palavras de qualquer artigo noutro site da internet;
  • Usar ou distribuir qualquer conteúdo deste site para fins comerciais, seja em forma digital, impressa ou outra;
  • Alterar, transformar ou acrescentar seja de que forma for os conteúdos deste site.

Para obter o consentimento escrito para qualquer destas ações pode usar a minha página de Contato.

Artigos de convidados

Os direitos de propriedade inteletual sobre os artigos escritos por autores convidados deste blogue pertencem aos respetivos autores.

Aplicam-se também as normas acima aos seus artigos, mas quaisquer autorizações devem ser obtidas diretamente junto aos autores.

Eu não posso servir de intermediário e não responderei a qualquer tentativa de contato nesse sentido.

Para utilizações não previstas nestas normas:

Escrever-me diretamente através da página de Contato.

Se tem uma opinião ou informação interessante sobre algum dos temas deste blogue, e está interessado em publicá-la aqui, siga os seguintes critérios.

Conteúdo

O artigo deverá ser sobre um destes tópicos:

  • Escrita em geral
  • Guionismo
  • Cinema ou outros media

Os artigos deverão contribuir para o enriquecimento artístico, técnico ou profissional dos leitores do blogue.

Poderão ser aceites artigos de divulgação de eventos, serviços ou produtos (como cursos ou oficinas) desde que relacionados com estes tópicos.

Condições

  1. O artigo deve ser original e nunca ter sido publicado antes em qualquer media.
  2. O artigo não deve ser uma simples tradução ou adaptação de qualquer artigo já publicado, pelo autor ou por terceiros.
  3. Se o artigo se inspirar ou referir outro artigo já publicado este deve ser claramente indicado e referenciado, com os respetivos links. O mesmo se aplica a referências a outras obras já publicadas, que devem ser claramente identificadas.
  4. O artigo deve ter um mínimo de 500 e um máximo de 1000 palavras.
  5. O autor deve identificar-se claramente. Não serão publicados artigos de autores anónimos ou sob pseudónimo.
  6. O autor deve fornecer uma minibiografia de um parágrafo na qual pode incluir um link para o seu próprio site ou blogue.
  7. O artigo deve estar escrito em português e respeitar as normas e convenções. Não é obrigatório respeitar o acordo ortográfico, mas se não o fizer isso deve ser indicado.
  8. O artigo deve respeitar as Normas da Casa e estar escrito a pensar nas características da escrita de blogue: parágrafos não muito longos, linguagem simples e direta, uso de subtítulos, etc.
  9. Reservo-me o direito de editar o artigo para corrigir gralhas ou erros gramaticais, sem alterar o seu sentido. Se os erros forem muitos, o mais certo é não o publicar, porque…
  10. …finalmente, também me reservo o direito de não publicar qualquer artigo que não me interesse por algum motivo. Nesse caso, não terei de dar qualquer satisfação ou justificação quanto à minha decisão. Informarei sempre o autor sobre a publicação (ou não) do artigo. Se por acaso um seu artigo for rejeitado, por favor não insista. Terei as minhas razões, mas são só minhas.

Se depois de todas estas condições ainda estiver interessado envie-me um email (para: jotajotanunes arroba gmail ponto com) com o seu artigo no corpo do email. Repito: não envie o artigo em anexo, mas dentro do próprio texto do email.

No corpo do email deve incluir ainda a sua minibiografia. Tentarei responder no mais curto período de tempo possível.

Se o seu artigo for publicado e merecer comentários de alguns leitores sinta-se à vontade para lhes responder, desde que respeitando as Normas da Casa.

O blogue joaonunes.com é mantido recor­rendo ao Word­Press, uma fer­ra­menta extra­ordiná­ria, gra­tuita, supor­tada por uma comu­ni­dade extensa, sabe­dora e entu­si­asta.

A base do design do blogue, por sua vez, é o exce­lente tema OceanWP, um fra­mework extre­ma­mente fácil de man­ter e ele­gante, pen­sado de raiz para oti­mi­za­ção da pre­sença nos moto­res de busca, a cha­mada SEO. Em cima desta estru­tura criei o layout do site com uma skin própria.

As fontes usadas, que agradeço ao Google, são a Oswald para os títulos, e Open Sans, para o texto.

HARDWARE

Man­te­nho o blo­gue recor­rendo a algu­mas fer­ra­men­tas indis­pen­sá­veis para a minha sani­dade mental.

A pri­meira é o meu Mac. Atu­al­mente é um Mac­Book Pro de 13′, cor­rendo o sis­tema ope­ra­tivo mais recente. Sou um con­fesso Mac­níaco desde que tro­quei a máquina de escre­ver (sim, ainda sou desse tempo) por um com­pu­ta­dor. Em todas as oca­siões em que fui obri­gado a usar o Win­dows agra­deci sem­pre a minha opção ini­cial pelo Macintosh.

Quando escrevo em casa uso um teclado externo da Apple (um velhinho, de 1998, que veio com o primeiro iMac azul Bondi) e um rato HP wireless.

Para as minhas necessidades móveis uso um iPhone XR (muito) e um iPad Mini (pouco).

Esco­lhi há uns anos o Site­Ground, para o alo­ja­mento do blo­gue e ges­tão do domí­nio. Não é o for­ne­ce­dor mais barato mas o ser­viço tem sido tão bom que não me arrisco a mudar.

SOFTWARE

Come­cei ainda no sistema operativo Sys­tem 6 do Mac, sobre­vivi à tran­si­ção para o Mac OS 7.6 e che­guei mais apai­xo­nado do que nunca ao OS X. Faço questão de o ter sempre atualizado com as versões mais recentes.

Para a ges­tão e design do blo­gue, depois de várias expe­ri­ên­cias com o Coda e o CSSE­dit, passei a usar o interface do próprio WordPress para fazer as alterações necessárias. É um pouco como caminhar no arame, mas não dizem que a vida é mais excitante quando abraçamos o risco?

Para a escrita dos arti­gos estou a usar o aplicativo Nimbus Notes, publicando depois os textos como rascunhos no WordPress, onde os termino e publico. Este workflow permite-me manter um registo dos artigos mais fácil de reutilizar.

Uso ainda o WP Fountain, um plu­gin gra­tuito do Word­Press, des­ti­nado espe­ci­al­mente a for­ma­tar par­tes do texto con­forme a norma tra­di­ci­o­nal dos guiões (na realidade, uso uma versão própria e um pouco mais completa desse plugin, adaptada com a ajuda do meu filho Frederico). E não me façam come­çar a falar de plu­gins, por­que tenho mais de 20 ins­ta­la­dos e a ope­rar neste blogue…

Para a edi­ção de ima­gem uso o Affinity Photo, que substituiu o Photoshop.

Em termos de browsers fixei-me no Brave, uma versão do Chrome com mais funções de privacidade.

Para a escrita em geral uso o Scrivener e o Pages, que passaram a substituir todas as outras ferramentas de texto, inclusive para escre­ver em for­mato .md ou .txt, com a sintaxe Markdown, coisa que ando a fazer cada vez mais. Para a escrita de guiões recorro ao Scri­ve­ner e, mesmo no final do processo, ao Final Draft ou WriterSolo; oca­si­o­nal­mente uso o Slugline e o Highland, para escrever com a sintaxe Fountain.

Por segu­rança come­cei a usar o Drop­box, para ter todos os meus documentos na nuvem. É um con­junto de soft­ware e webware sen­sa­ci­o­nal que faz exa­ta­mente aquilo que pre­ciso para me sen­tir seguro de que não vou per­der todos os tra­ba­lhos impor­tan­tes no caso de acon­te­cer alguma coisa ao meu Mac.

Tenho um disco externo dedi­cado ao bac­kup com o Time Machine da Apple. E. além disso, man­te­nho nou­tro disco externo um “clone” do meu Mac, feito com o Super­Du­per. Se me acu­sa­rem de redun­dân­cia, aceito sem dis­cus­são mas pre­firo sentir-me seguro do que arrependido.

Sou um pouco com­pul­sivo na acu­mu­la­ção de notas e infor­ma­ções. Usei o Ever­note durante muitos anos, mas agora estou a testar o referido Nimbus Notes, que faz quase tudo o que ele faz por um terço do preço, e tam­bém sin­cro­niza com o iPhone e com o iPad. Para arquivo de infor­ma­ção sen­sí­vel (pas­swords, etc) uso o 1Password.

Final­mente, toda a cor­res­pon­dên­cia do blo­gue e dos diver­sos ende­re­ços de email que uso é enca­mi­nha­da via Gmail para o soft­ware Spark, um novo pro­grama pen­sado de raiz para atingir o inbox zero, o “santo graal” dos utilizadores de email. É quase per­feito, especialmente desde que me habituei à sua smart inbox.

ANALÓGICO

Depois de vários anos a tomar notas, man­ter lis­tas, regis­tar ideias, ano­tar infor­ma­ções e fazer gata­fu­nhos em Moles­ki­nes de tama­nhos e tipos diver­sos, adotei um sistema analógico de diário/lista de tarefas chamado Bullet Journal. É tão bom que já escrevi um e dois artigos sobre ele.

Ainda não escolhi um tipo único de bloco de notas para me fixar. Além dos mencionados Moleskines, tenho testado outras marcas, especialmente desde que comecei a usar canetas-tinteiro com regularidade. Destaque para os Leuchtturm 1917 e Rhodia, que têm tudo o que preciso e se encontram com facilidade em Portugal.

A Fisher Space Pen cro­mada, sem deco­ra­ções, era a caneta per­feita para mim — sufi­ci­en­te­mente pequena para andar sem­pre no bolso, mas con­for­tá­vel no uso depois de aberta. O único pro­blema é que a perdia com alguma muita regularidade.

Depois da última desaparecer estive a usar esferográficas de gel vulgares, de vários fabricantes, mas recentemente apanhei o bichinho das canetas-tinteiro. A minha favorita no momento (pode mudar a qualquer altura…) é a Lamy 2000 – um sonho a escrever desde que o papel seja decente. No bolso passei a andar com uma Delike Pocket Travel de latão, que está a ser perfeita. A minha tinta favorita para o dia a dia é a Caran d’Ache Chromatics Magnetic Blue, que tem o balanço ideal entre o azul e o negro.

LINGUAGEM

Decidi ado­tar o acordo orto­grá­fico no blo­gue, mas apenas segundo as minhas conveniências. Ainda uso muitas pala­vras com a gra­fia antiga, quando não gosto ou não me adaptei à nova versão. Quando tenho dúvidas consulto um dici­o­ná­rio de por­tu­guês.

Também tenho algumas manias de linguagem: uso sempre “personagem” no masculino, prefiro “estória” a “história” para falar de uma narrativa, e abuso um pouco das vírgulas depois dos “e” (como fiz nesta frase).

Acredito que os leitores me perdoam todas essas inconsistências e idiossincrasias se os conteúdos do site não os desapontarem.

O autor

Saiba um pouco mais sobre mim nas secções abaixo.

Nasci em Angola mas vim para Portugal com 2 anos. Uma das recordações mais antigas que tenho é de estar sentado no recreio da escola primária a contar estórias aos meus amiguinhos. Como o povo diz, “o que nasce torto, tarde ou nunca se endireita…

Apesar disso, na universidade estudei sucessivamente economia, pintura e design. Com um percurso desses, obviamente, não consegui terminar nenhum curso.

Por sorte comecei aos 18 anos a trabalhar em publicidade, profissão que alimentou o meu gosto de contar estórias e na qual me safei razoavelmente.

Como redator publicitário, diretor criativo ou sócio passei por agências de diversas dimensões em três países: em Portugal, na Sistema, J. Walter Thompson, EuroRSCG (atualmente Havas) e Executive Portugal; em Angola, na Executive Angola; e no Brasil, como freelancer e no estúdio Kitchen.

Em 1998 resolvi apontar a minha paixão pelo storytelling noutra direção e lancei-me no guionismo. Já escrevi mais de 3500 páginas de ficção audiovisual – contando só a produzida -, incluindo sete longas metragens, cinco telefilmes, onze curtas metragens, e dezenas de episódios de séries de televisão.

A Selva, Globo de Ouro para Melhor Filme

Como realizador, dirigi alguns spots publicitários. Mais tarde, estreei-me na realização de ficção com a curta metragem O Presente, o que abriu uma nova linha de atividade.

O Presente, escrito e realizado por João Nunes

Publiquei recentemente o livro Como Escrever um Argumento de Cinema.

Sou casado, e tenho dois filhos.

Livros

Como Escrever um Argumento de Cinema” – Amazon, 2017

Cinema

  • “Avó 19 e o Segredo do Soviético” – Longa metragem, Kanema/Fado Filmes
  • “A Teia de Gelo” – Longa metragem, Cinemate
  • “O Cônsul de Bordéus” – Longa metragem, Take 2000
  • “Assalto ao Santa Maria” – Longa metragem, Take 2000
  • “Julgamento” – Longa metragem, Stopline Films
  • “Tiro no Escuro” – Longa metragem, MGN
  • “A Selva” – Longa metragem, Costa do Castelo

Televisão/Web

  • “Filha da Lei” – Episódio 13, RTP
  • “O Pedido” – Curta metragem
  • “Os Filhos do Rock” – Episódio 8, RTP
  • “Uma Família Açoriana” – Mini-série de 8 episódios
  • “O Dez” – Série de curtas metragens, RTP
  • “Conexão” – 2 Telefilmes, RTP
  • “Liberdade 21” – Série, vários episódios, RTP
  • “29 Golpes” – Telefilme, RTP
  • “Inspector Max” – Série, vários episódios, TVI
  • “Espírito da Lei” – Série, vários episódios, SIC
  • “Amor Perdido” – Telefilme, SIC
  • “Mustang” – Telefilme, SIC

Realização

“O Dez” – Curta metragem, segmento “O Presente”, RTP

Teatro

  • “Animais de Palco”
  • “Era uma vez… jazz”
  • “Quem matou o Jazz?”

Estudos

  • Frequência universitária, primeiro em Economia, na Universidade Católica, e depois em Pintura e Design, na ESBAL
  • Curso de Marketing na SPM
  • Curso de fotografia no Ar.Co.
  • Workshop de desenvolvimento de guiões”Pilots”, em Lisboa.

Percurso Profissional

  • 2019-… Freelancer, Portugal
  • 2017-2019 Director Criativo, Executive Angola
  • 2016-2017 Director Criativo, Executive Portugal
  • 2013-2016 Director Criativo, Executive Angola
  • 2011 – 2013 Freelancer/Estúdio Kitchen, Brasil
  • 2006-2011 Autor Associado, Produções Fictícias
  • 2005-2006 Director Criativo, Executive Center, Angola
  • 2002-2004 Autor Associado, Produções Fictícias
  • 2000-2002 Sócio, QI – Questões e Ideias
  • 1998-2000 Freelance
  • 1989-1998 Director Criativo e Sócio, EuroRSCG
  • 1983-1989 Redactor e Director Criativo, J.Walter Thompson
  • 1980-1983 Redactor publicitário, Sistema

Prémios

  • Em publicidade:
    • Grande Prémio RTC e diversos RTC;
    • Diversos Marketing & Publicidade Awards;
    • Diversos prémios do Clube de Criativos;
    • Menções honrosas Cannes Press & Poster, New York Festival, London Summer Awards, Epica Awards;
    • Diversos prémios no Festival Acácia de Ouro – Angola;
    • Prémios no Festival de Publicidade de Moçambique;
    • Prémios no Festival de Publicidade de Espinho.
  • Em tv e cinema:
    • Nomeado para Globo de Ouro 2002 – Melhor Telefilme (Amor Perdido);
    • Vencedor Globo de Ouro 2003 – Melhor Filme (A Selva);
    • Nomeado para o Prémio Sophia de Melhor Argumento (O Cônsul de Bordéus);
    • Prémios Sociedade Portuguesa de Autores 2015 – Melhor Série de TV (Os Filhos do Rock).

O Cônsul de Bordéus, nomeado para o Prémio Sophia

Trabalho também como Consultor de Guião e Script Doctor, tendo já ajudado inúmeros guionistas individuais e empresas a tirar o melhor partido dos seus guiões.

Um Script Doctor é um guionista profissional, com muitos anos de experiência, que ajuda a curar guiões com problemas de saúde comercial, técnica e artística.

Como guionista com mais de 20 anos de experiência de escrita, desenvolvimento e aperfeiçoamento de guiões, posso ajudar a identificar e resolver esses problemas.

Se está interessado em saber mais sobre os meus serviços de Consultoria de Guião e Script Doctoring consulte a página que criei para os apresentar.

Fui durante vários anos presidente da direcção da APAD – Associação Portuguesa de Argumentistas e Dramaturgos, de cuja direcção já fazia parte desde 2000.

Sou membro fundador da Academia Portuguesa de Cinema, de cuja comissão instaladora fiz parte.

Desde 2005 mantenho o blogue sobre escrita para cinema e televisão joaonunes.com, com mais de 1500 artigos publicados e mais de um milhão de visualizações.

Dou regularmente cursos e oficinas de escrita audiovisual, em diversos países.

Sou fluente no inglês e francês falado e escrito; tenho noções de espanhol e italiano.

Gosto de cinema e televisão, evidentemente, mas também de literatura, fotografia, arte, corrida, meditação, canetas-tinteiro, futebol e do meu Mac.

Adoro cozinhar para os amigos e viajar com a família. E também de viajar com os amigos e cozinhar para a família.

Sou católico, com poucas ligações à igreja; social-democrata, sem cartão partidário; e benfiquista, sem lugar cativo.

Sou europeista, iberista, tropicalista e sempre otimista.

Para quem isso interesse, sou sagitário, búfalo e fogo.

Acredito que há vida inteligente noutros planetas; e, em certas ocasiões, chego a acreditar que também a haja neste.

(em Agosto de 2020)

  • Escrever uma série de televisão
  • Escrever uma longa metragem
  • Escrever uma pequena série de vídeos educacionais
  • Retomar a prática regular de corrida
  • Tentar fazer um ano consecutivo de meditação diária
  • Ler “Guerra e Paz” e “O Livro dos Cinco Anéis”